Manoel S. de Moraes é garçon há décadas no Restaurante Paz e Amor em Ipanema no Rio de Janeiro e recebe sempre seus fregueses com divertidos versos, onde além de revelar suas raízes...

Com a publicação deste belo poema, presto uma homenagem póstuma à Maria de Fátima C. Gesteira – Mara –  minha ex-companheira e mãe de nossas três filhas: Joana, Gabriela e Carolina,...

O menino que carregava água na peneira Tenho um livro sobre águas e meninos. Gostei mais de um menino que carregava água na peneira. A mãe disse que carregar água na...

Eu era menino ainda quando o via passar, de terno escuro amarrotado, caminhando à toa pelas ruas da cidade do interior onde vivi: Itabuna – Bahia. Carregava sempre uma flor –...

Inaugurando a Galeria de Poesia do Nunca se Sabe, devo dizer que sou “fã de carteirinha” da poesia de Érico Braga Barbosa Lima. Nessa estréia, apresento o poema Cena XVI extraído do livro “Cenas de...